Quando a criança precisa de análise?

Ir mal na escola, ser agressiva, desligada, incapaz de concentração, ansiosa, obsessiva, ter dificuldades em se alfabetizar, falta de controle, ser indisciplinada na escola, inibida, insegura… São tantos os sintomas psíquicos que deixam os pais ou cuidadores preocupados se esse comportamento logo desaparecerá ou se é melhor buscar uma ajuda profissional. Toda criança passa um dia ou outro por um sintoma, deve-se compreender antes de preocupar-se.

Alguns desses sintomas podem sim sinalizar que algo não vai bem, não somente com a criança, mas com a família. A preocupação com a presença ou ausência de doença nos filhos desperta sentimentos e fantasias nos pais e, principalmente, o que fazer para ter um filho saudável. Muitas vezes no início de um tratamento sinto a necessidade de explicar alguns mecanismos psicológicos, por exemplo, a natureza involuntária dos sintomas, ou os padrões de desenvolvimento característicos de algumas faixas etárias.

Os motivos mais frequentes que os pais trazem ao tratamento são os transtornos de aprendizagem e de conduta. Atualmente cresce a queixa de uma verdadeira tirania que as crianças exercem sobre os adultos, a grande dificuldade do adulto em lidar com os limites e com autoridade, crianças exigentes, voltadas para o consumo e imediatismo.

É necessário conhecer a história individual e familiar da criança para avaliar se tem uma necessidade de análise e para quem é indicado, para a criança ou os pais.

Crianças vão à análise quando apresentam dificuldades recorrentes relacionadas ao seu desenvolvimento global que podem interferir na formação de sua personalidade passando pelos distúrbios funcionais (alimentação, sono, controle dos esfíncteres, etc.) até aqueles que caracterizam quadros mais graves (fobias, compulsões, etc.).

A especificidade da psicanálise com crianças consiste essencialmente na presença física dos pais na vida do analisando.
Quando os pais chegam para pedir ajuda, percebo um sentimento de impotência, de culpa ou fracasso, geralmente essas frustrações aparecem em seus comentários ou ações. É importante que, desde o início, desfaçam-se esses sentimentos e tenha sua relevância enquanto pais e facilitadores do desenvolvimento do filho.

A análise de pais é um trabalho essencialmente clínico e consiste na escuta integral dos pais, no acolhimento de suas dúvidas, de suas angústias, na partilha de seus sofrimentos. Propicia descobertas surpreendentes ao casale esses achados podem modificar o relacionamento deles como marido e mulher e deles com seus filhos.

Muitas vezes não conheço a criança a quem foi pedido o tratamento, o suporte oferecido aos pais, à escola e outros adultos responsáveis pela educação da criança são efetivos.
As ações sendo direcionadas à criança ou aos pais e cuidadores, certamente irão obter repercussões nos membros da família, individualmente e no contexto familiar como um todo.

Referências:
Mannoni, M. (1980). A criança, sua “doença” e os outros. Rio de Janeiro: Zahar.

Mannoni, M. (1981). A primeira entrevista em psicanálise. Rio de Janeiro: Campus.

Checchinato, D. (2007). Psicanálise de Pais: crianças, sintomas dos pais. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Alessandra Carieri – CRP 06/89853. Psicanalista membro da ACP –
Associação Campinense de Psicanálise. Atendimento de criança, adolescente
e adulto e orientação à família nas cidades de Valinhos e Campinas.
[email protected]
(19) 98154-6554

 

3 thoughts on “Quando a criança precisa de análise?

  1. Texto muito esclarecedor!
    Que bom contar agora com uma profissional dessa área.
    Nossas dúvidas, anseios e medos são muitos quando se trata de filho.
    Esperamos mais matérias 🙂
    Se possível, poderia falar sobre comportamentos agressivos quando os pais são separados e como lidar com isso?
    Abraço!

    1. Renata, obrigada pela seu comentário e elogio!
      Espero em breve poder contribuir com o tema sugerido.
      Um abraço,
      Alessandra Carieri.

Deixe uma resposta